terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Calúnia do Rúbio Negrão


Sejemos cinseros: uma coisa é você, treinador, “encaixar” um time de futebol.

Outra coisa, é você, treinador, agora em processo de fritura, “encaixar” um time de futebol cujas peças simplesmente não se completam, ou por exercerem funções muito parecidas, ou por exercê-las de maneira pífia, renatesca.

É. Tentar “encaixar” um time de futebol usando peças que não se harmonizam é tarefa difícil pra burro, e até pra inteligente.

Aí, você, treinador corado, acaba desperdiçando, sempre e invariavelmente, os primeiros 45 minutos de todas as partidas para construir nada além de um empate desinteressante (em termos de tabela e de futebol), ou, quase sempre, uma derrota parcial menos interessante ainda.

Então, quando chega o segundo tempo (e quem me conhece sabe que odeio segundos tempos), você retorna do vestiário ainda não totalmente convencido de que a coisa não vai dar certo. E permanece nessa quase fanática convicção até os 20 minutos dessa etapa.

Daí, você, fela duma rapariga de treinador tostadinho, cuja capacidade para exercer o cargo que ocupa (entre tantos outros) já não convence a mais ninguém, nem a você mesmo, coloca em campo três jogadores que, você imagina no seu mundinho indevassável, resolverão, nos 25 minutos que restam, os problemas que você não resolveu durante a última semana, os últimos meses, o último ano.

Sem querer ser injusto, ou totalmente injusto, até me pareceu ter havido uma preparação adequada para o recente jogo contra o Real Potosí, a LaU cover. A maioria dos atletas (vamos chamá-los assim) não me pareceu sentir o peso, ou melhor, a leveza da altitude boliviana. A derrota foi mais fruto do desinteresse de certos jogadores, o despreparo de outros, o esquema (es)tático não de todo ingênuo, porém extremamente covarde, e, vá lá, do frio.

No fim das contas, a altitude acabou sendo o de menos. O time poderia perfeitamente ter dado o mesmo vexame ao nível do mar.

Cenão vejemos: só necessita de quatro volantes quem tem problemas de direção. Quem está perdendo o rumo. Quem tem medo de bater de frente. Porque, no futebol, ao contrário da Mega-Sena, jogar com quatro volantes demonstra medo, um verdadeiro pavor de ganhar, só explicável em gente que já está rica. 

Mas foi, é, e, ao que parece, continuará sendo duro aturar. Se já estava sendo difícil conviver com o fato de que os clubes pequenos do Brasil já não nos respeitam mais, doeu muito descobrir que os do exterior também estão indo pelo mesmo caminho. Porque eu não temo Barcelona nem Real Madrid. Eu tenho pavor é de time pequeno. Mas deixa quieto, esse é um outro assunto. Cada um com as suas manias.

Então, voltando ao prato do dia, você, treinador na chapa, a esta altura dos campeonatos bastante tostado pelo óleo quente e quarentão de frituras anteriores, apesar de ainda ter no elenco limões pra fazer uma limonada, prefere permitir que façam com eles uma caipirinha.

Resultado: agora, para conseguirmos a vaga diante da LaU cover, precisamos de uma vitória simples. Serve até uma complicada, tudo bem, mas que ainda seja vitória.

Se a vaga pra Liberta será nossa, não sei dizer. O que sei dizer é que, mesmo que a vaca vá pro brejo, com certeza o R10 irá pra breja.

(Mas eu acredito! Só não posso dizer em que, pra não tomar um processo.)


Duplex Toc Zen

1 - Pô, Lu%a!: Você ainda não conseguiu entrar nessa vaguinha nem usando 4 volantes?

2 - Se engana quem diz que o Lu%a entrou com 4 volantes contra o Potosí: Foram só 3, porque o Renato é café com leite.

3 - Como insider profundo do Flamengo, cravo seco: Como nenhum titular estava a fim de jogar a 4 mil metros, o Lu%a fez um preço promocional válido somente pro jogo em Potosí.

4 - Cubro qualquer aposta: O Lu%a é um Caio Jr. que deu certo.

5 - Equacionando o problema Ronaldinho: +R10 - 15 minutos = R -5. (Ah, em em adição com números de dois algarismo eu também sou phoda!)

6 - Como insider profundo do Flamengo, cravo seco: Amanhã, contra o Potosí, a gente passa. Nem que seja vexame.

7 - A insistência com o Renato prova que o Lu%a compartilha a mesma filosofia de vida com o Ronabo: “Já que está, deixa.”

8 - E o Love voou do Brasil pra Rússia, da Rússia pro Brasil, se apresentou, dançou, e ainda caiu na gandaia: Pelo visto, ele é bem resistente ao jet lager.

9 - Como insider profundo do Flamengo, cravo seco: Com o acúmulo e criação de novas e loucas dívidas, os atuais mandatários rubro-negros não vão se candidatar para um novo triênio. #AProximaGestaoQueSePhoda

S2 - Caso Adriano volte, a dupla de ataque com Love não será mais chamada de “Império do Amor”, e sim de “Catuaba”: A Bebida do Amor.

11 - E caso a dupla de ataque seja mesmo Love e Deivid: “O Amor é Cego.”

12 - “Ele tem o melhor emprego do mundo.” – Danilo Ribeiro: Não, o Danilo não falava de mim, mas do Leonardo, do PSG. Mesmo assim, continuo afirmando: o melhor emprego do mundo ainda é não ter emprego. 

13 - “O Barcelona, vem mostrando que o mais importante é ter bons jogadores, habilidosos. Chegam a ponto de jogar sem zagueiros, colocando volantes no setor.” – @Unabomber_Fem: Ô, Leila! Não percebes que o visionário Lu%a irá além, chegando a ponto de jogar sem atacantes, colocando volantes no setor?

14 - O Flamengo precisa urgentemente de um bom vice de futebol: Sugiro Vasco da Gama.

15 - Obrigado, Jael: Você jamais deixou de ser ofensivo, inclusive à nossa história.

16 - A pergunta que não quer calar: Por que alguns jogadores só transferem 30% e jogam, enquanto a Dona Ercilia, que transfere 100%, nem no banco fica?

17 - Como insider profundo do Flamengo, cravo seco: Love, González e o novo treinador só vão estrear na fase de grupos da Libertadores.

18 - A hora é esta: Luxexpurgo!


19 - Twitter Cassetadas da semana (em tempo real só em @rubionegrao):

"Cantora Whitney Houston está falida." Bem-vinda ao meu mundo.

Meu melhor amigo se chama Pedro. Isso quer dizer que eu sou um Pedrófio?

"Bispa da Renascer terá que devolver R$ 785 mil para cofres públicos." Isso é o que chamo de total desprendimento dos bens materiais.

Não sou rico, mas pelo menos eu... eu... eu... Caraca, agora deprimi.

O chato de o ser humano precisar dormir é que não dá pra ficar coçando o saco o dia todo.

Os estaduais só servem pra uma coisa: iludir as torcidas de que seus times estão fortes para a temporada.

Torcedor do Flamengo também devia receber salário do Clube, porque se desgasta mais do que os jogadores.

Já foi dito que "O futebol é o ópio do povo". Vou além: é o ópio até de certos boleiros.

"Flamengo aguarda documentos para regularizar Love." Espera principalmente pelo "Atestado de Trouxa".

Prefiro A Fazenda ao BBB porque não tem cabimento criarem novas subcelebridades quando já temos tantas pouco aproveitadas.

Se o Real Potosí fosse time grande, eu não estaria tão preocupado.

Fantástico: cada vez me convenço mais de que a TV, pra ser boa, tem que ser ruim.

BBB12: diante do festival de ices, creio que os participantes entrem naquela casa só pra bbber. #InfamiaAmplaTotalEIrrestrita

"Deborah Secco vai com Roger a ensaio técnico e explica corpo magérrimo": "Gente, é bulimia, oras!"

Pra mim, o R11 é titular absoluto do banco.

Parei com o R10, com o R11, e é melhor parar por aqui pra não me chamarem de "Errefóbico".

O Scort Recife se negou a negociar Ciro com o Mengão. Como vingança, agora o Flamengo cede Jael ao Scort. Nada como um dia após o outro.

#MulheresRicas: sou limpinho, como pouco e quase não dou trabalho.

#InventeUmaBandaComCrocs: The Crocson Five

#InventeUmaBandaComCrocs: Crocs 'N Roses

#InventeUmaBandaComCrocs: ZZ Crocs

#InventeUmaBandaComCrocs: Crocs, Stills and Nash.

#InventeUmaBandaComCrocs: ACrocs/DCrocks

E nada mais faço.


[Post originalmente publicado no Blog da Flamengonet]

domingo, 29 de janeiro de 2012

PaRANoiA dELiRAnTe


Por Leila do Flamengo


Boa tarde/noite amigos do Buteco, primeiramente peço desculpas pela hora da postagem.

Hoje resolvi compartilhar com vocês algo que venho sentindo nos últimos dias e, na medida do possível, averiguar se se trata de algo particular ou coletivo.

Diante das últimas notícias dando conta que o elenco estaria contra o técnico, das denúncias veiculadas no blog do Paulinho, do racha da Diretoria com o Luxemburgo, racha do R10 com o técnico e exigência de sua saída, contratações bisonhas como Itamar, possível venda de parte dos direitos dos jogadores da base, cogitação de um nome que me causa arrepios como Zé Love, a multa de 4 milhões do Destreinador, contrariedade do mesmo em relação a contratação pouco custosa do zagueiro González etc, etc, agora passei a assistir aos jogos do Flamengo com a incômoda sensação de que tem sempre algo por trás de determinadas situações.

Jogo contra o Potosí: Flamengo entra em campo com 4 volantes. Luxa quer perder de propósito pra ser demitido e ganhar sua multa milionária? Ou, ao contrário, seu receio de ser demitido é tão grande que escala de forma covarde e medrosa?

Os jogadores, por sua vez, querem a demissão do técnico. Até que ponto podem ir? Perdemos o primeiro jogo contra um adversário risível. Existe algo por trás dessa derrota, que não apenas um sistema tático horroroso, composto de vários botinudos sem a menor técnica e habilidade pra jogar em alto nível?

E agora, na próxima 4a feira? Técnico quer perder pra ser demitido e levar sua multa? Jogadores querem que ele saia e farão corpo mole?

Ontem, jogamos com Jael e Negueba no ataque. Me pergunto: por quê? Jael é mais um dos indicados pelo "professor" pra utilizar o Flamengo como vitrine e turbinar ganhos pra terceiros (parece que se for vendido, pasmem, o Flamengo não ganha absolutamente nada com isso). Negueba já tinha jogado na Bolívia, mas ainda assim permaneceu 90 minutos em campo errando tudo que tinha direito. Foi especulado que alguns jogadores dos juniores teriam assinado uma procuração, passando a ser empresariados por gente ligada ao treinador. Negueba seria um deles?

Afinal, o que há por trás dessa relação que chegou as raias do ridículo e do patético entre o Destreinador e o Renato Canelada, que em hipótese alguma é substituído? Parte do salário do jogador não chega ao próprio bolso?

Por outro lado, porquê fazer um contrato de mais de 2 anos com um treinador, com uma cláusula de multa altíssima, proporcional ao tempo que falta, quando é sabido que raríssimas vezes um técnico de futebol no Brasil alcança tal tempo de serviço?

Enfim, são muitas perguntas e cada dia mais tenho a impressão que o critério meritório vem sendo deixado de lado e outros critérios escusos ou pouco claros vêm ganhando espaço.

Ou tudo isso não passa de paranoia delirante? O que acham?

Férias, pra que te quero



terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Calúnia do Rúbio Negrão


“Flamengo, Flamengo, tua glória é lutar.”

Mais do que um grito de guerra, mais do que um lema, mais até do que o blog do Julio Benck, a glória na luta é uma sina, um destino, um estilo de vida, uma obsessão rubro-negra.

É do Flamengo lutar contra tudo e contra todos. Contra amigos e inimigos. Contra arcoirenses e quintas-colunas. Luta contra chinelinhos, mercenários e amarelões. E amanhã, contra o Real Potosí, chegará às raias do absurdo de lutar até pela necessidade básica de respirar, simplesmente porque a FIFA é de fufa.

Engana-se quem pensa que a conquista da Libertadores em 81 foi fácil. Mesmo contando com o último timaço-aço-aço surgido por estas bandas, que infundia verdadeiro terror nos adversários, a Libertadores de 81 foi vencida “no braço”, na raça, na moral, apesar de todo o futebol-arte que fluía pelas veias dos nossos craques.

Engana-se igualmente quem pensa que a casa do c%*ralho fica lá adiante, na horizontal. Não. A casa do c%*ralho fica pra cima, na vertical, a 4 mil metros, na altitude boliviana.

Como se engana também, e redondamente, quem pensa que o Flamengo é o Brasil na Libertadores. O Flamengo não é o Brasil em lugar nenhum. O Flamengo é, como tão bem recitou Ronaldinho Gaúcho, o Flamengo.

Com crise ou sem crise, com Zico ou sem Zico, o Flamengo é o Flamengo. E esse fato vem nos bastando por mais de 115 anos, e nos bastará por mais 115, e por toda a eternidade.

Por isso, paremos de usar o “se”. “Se” Love vier, “se” Suazo chegar, “se” Cáceres for contratado... O “se” não existe no futebol. Usemos, pois, o “caso”. “Caso” Love venha, “caso” Suazo chegue e “caso” Cáceres nos dê o ar de sua graça, ficaremos muito fortes, em termos de time e também de elenco.

Só que amanhã, contra o Real Potosí, ainda não jogaremos com o time principal. Mesmo assim, na vitória ou na derrota, sem mimimi (ou, se você for mais chegado ao Twitter, mememe), porque a Calúnia de hoje não tem a menor pretensão de divagar sobre 2012, mas apenas sobre Libertadores, que é onde aperta o nosso calo atual.

Contra o Real Potosí, nem Time A nem Time B: o certo e prudente será entrarmos em campo com o Time O. (Caso algum vascaíno esteja lendo, “O” de “oxigênio”.)

E terá de bastar, porque além de “Tua glória é lutar”, “Flamengo, Flamengo, campeão de terra e mar.”

Assim sendo, prestes que estamos a iniciar nossa nova marcha rumo ao novo bi da Libertadores, nas alturas insondáveis de Potosí, eu reforçaria: “Campeão de terra e mar e ar”. E cabe perfeitamente aqui citar a máxima de Buzz Lightyear, o cara que acabou com a vida do Woody em “Toy Story” (e que, a julgar pelo conturbado perfil psicológico, também um rubro-negro doente): “Ao infinito... e além!”

Porque nas alturas potosianas, creio eu, o urubu terá o seu dia de condor.

Mas, antes disso, haja coração!

Ou melhor, pulmão.


Duplex Toc Zen

1 - Há treinadores que “pagam geral”: E outros que “recebem geral”.

2 - O Luxa sempre detestou igrejinhas: Daí que não sei como ele aguenta conviver com tantos jogadores dizimistas.

3 - Só digo uma coisa: Lu%a.

4 - Questão de nomenclatura: Doravante, “Geladeira” não tem mais a ver com o Gustavo, e sim com o Alex Silva.

5 - Apesar de insider profundo do Flamengo, não sei dizer se o Luxa vai ou fica, mas vou logo avisando: Se, em 2012, o Mengão jogar com a mesma lentidão com que jogou em 2011, NÃO SEI SE VOU TER SACO!

6 - “Pra mim o TN está certíssimo. Ele é a cara do Fluminense. Mesmo assim sempre respeitou a camisa do Flamengo enquanto a vestiu. Ao contrário de outros sempre jogou com garra e disposição. Também não o vi envolvido em escândalos, fofocas ou indisciplina” - Paulo Cezar: Pra mim, também certíssimo está o Paulo Cezar. Melhor um PROFISSIONAL não identificado com o Clube do que um frasista talentoso que não corre e vive na zona.

7 - Aliás, relembrando o pré-contrato do TN7 com o Palmeiras em 2007, ninguém me tira da cabeça: Ele foi o precursor do conceito de compras coletivas no Brasil.

8 - Potosí Facts 1: Os nossos jogadores estão muito bem condicionados para o jogo na altitude, porque já vivem com seus salários nas alturas há muito tempo.

9 - Potosí Facts 2: O jogo a 4 mil metros será uma oportunidade única para os jogadores que não disputaram a Copa de 2010 sentirem o gostinho de dar um “efeito Jabulani” na bola.

171 - Potosí Facts 3: Quem não se abala com jogos na altitude é o gambler Luxa, que está acostumado a jogar alto.

11 - Potosí Facts 4: Na partida contra o Real Potosí, naquela altitude absurda, finalmente os jogadores marrentos poderão meter uma máscara em paz.

12 - Potosí Facts 5: O maior perigo neste jogo nas nuvens é a nossa zaga, que em 2011 não foi nada bem no jogo aéreo.

13 - Potosí Facts 6: Sabem aquela teoria conspiratória, segundo a qual os EUA teriam forjado as imagens do primeiro passo do homem na Lua? Pois é. Tudo filmado em Potosí.

14 - Potosí Facts 7: Um fato pitoresco sobre a cidade de Potosí é que lá os aviões não aterrissam: apenas estacionam.

15 - Potosí Facts 8: Se Real x Flamengo fosse realizado em 81, certamente rolaria uma zoação do Zico pra cima do Peu sobre a viagem pra Potosí ser de navio.

16 - Potosí Facts 9: Quando chove em Potosí, as pessoas não precisam usar guarda-chuvas, apenas galochas.

17 - Potosí Facts 10: Em Potosí, os aviões de carreira voam com as janelas abertas.

18 - Potosí Facts 11: Tem funkeiro rubro-negro que até já apelidou carinhosamente o nosso adversário de Real “Poposí”.

19 - Potosí Facts 12: Em Potosí, os apartamentos acima do terceiro andar são pressurizados.

20 - Potosí Facts 13: Em Potosí, Léo Moura e Renato jogarão normalmente, porque ambos já vêm sentindo os efeitos da altitude há muito tempo.

21 - Potosí Facts 14: Ironicamente, este jogo valendo vaga na Liberta lá nas alturas bolivianas é um dos pontos baixos da gloriosa história rubro-negra.

22 - Potosí Facts 15: Real Potosí x Flamengo será, literalmente, um jogo de tirar o fôlego.

23 - Potosí Facts 16: Sufoco na Bolívia o Mengão já vai tomar. Só torço para que não seja do adversário.

24 - Potosí Facts 17: O Luxa só deixará o comando do time no retorno da altitude de Potosí, porque é muito mais seguro cair estando ao nível do mar.

25 - Potosí Facts 18: Desta vez, a logística do Flamengo foi perfeita: o time chegou a Potosí fora da hora do rush, e o avião quase não pegou nenhum sinal fechado.


26 - Twitter Cassetadas da semana (em tempo real só em @rubionegrao):

"Deivid aprova a bola da Libertadores." Já a bola ainda não se pronunciou sobre o jogador.

"Fla tentou He-Man para dar troco." Não rolou porque iria rolar atrito com o Esqueleto Negueba.

Como o Tiago Neves saiu, o novo apelido do Flamengo passou a ser "armário".

Rafael Moura preferiu ser reserva no Fluminense a ser reserva no Flamengo.

"Após mulher mordida e dedetização, ratos mortos são achados no Senado." Quando vão revelar os nomes dos partidos?

O nosso time não é drag queen, mas já tá quase montado.

É verdade que o governo americano baixou o Megaupload inteiro?

O FBI é uma espécie de STJD americano.

Não torrent mais meu saco com esse troço de SOPA!

Essa SOPA ainda vai dar caldo.

#SeOTwitterAcabasse eu migraria pro trabalho.

SOPA no Megaupload: pena de quem estava acabando da baixar a hexalogia "Guerra nas Estrelas".

O mais prejudicado com o fim dos sacos plásticos nos mercados será o Coronel Nascimento. Imagino ele ordenando: "Bota na sacola ecológica!"

Só lamento uma coisa sobre o fechamento do Megaupload: é o Alex Silva não estar hospedado lá.

Se o FBI precisar de espaço nos servidores do Megaupload, posso dar uma força baixando os arquivos excedentes.

Não me chocou o fechamento do Megaupload pelo FBI. Foi apenas mais uma "queima de arquivos".

Sobre a Julia Bueno, espero que quando eu for TT no Twitter seja pela descoberta de algum combustível alternativo ou pela cura da calvície.

Hoje foi mais um dia em que não fiz nada. Mas pelo menos, o sono tá em dia.

O Lajeadense é um timinho muito do folgado: não respeita nem clube que paga em dia.

Um dos grandes mistérios do Twitter é o critério para dar RT nos tweets. Por que coisas insossas recebem +100, enquanto coisas criativas, 0?

"Dilma Rousseff diz que Enem terá duas edições em 2013." OBA! Duas temporadas no mesmo ano!

Alguém conhece um bom cirurgião plástico pra transformar minhas orelhas em "orelhas de repolho" só pra ninguém mais me encher o saco na rua?

"Sem a namorada Bárbara Evans, Lucas Malvacini garante: 'Não sou gay'." Só que esqueceu de dizer que não tem nada contra.

"E essa história do Flamengo ter a maior torcida, hein Renato?" - Ronabo. O cara já não sabia a diferença entre homem e mulher. Agora, isto.

E nada mais faço.


[Post originalmente publicado no Blog da Flamengonet]

Conselho de amigos



domingo, 22 de janeiro de 2012

sábado, 21 de janeiro de 2012

Real Potosí x Flamengo


Flagrante do ensaio do grito de guerra da torcida realpotosense


terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Calúnia do Rúbio Negrão



Sejemos cinseros: não sei se pela busca de segurança ou por pura comodidade, o ser humano é chegado a um lugar-comum. Demais. Só que não se apercebe do impacto disso nas relações sociais e profissionais. É algo meio mecânico, impensado, como torcer pelo Botafogo.

Só pra exemplificar, o que se costuma dizer pra amiga modelete que acaba de lançar o seu ensaio nu numa revista? Invariavelmente, “As fotos ficaram de muito bom gosto.” E pronto: tem-se uma amiga, além de mais rica, feliz e orgulhosa, e, acima de tudo, mais leal.

Pois bem. No início do ano passado, após prolongado leilão, Ronaldinho (ou Assis) optou por jogar pelo Flamengo. Isso já teria sido razão de sobra para orgulho da massa rubro-negra.

Só que, não satisfeito com a boa escolha, Ronaldinho (ou Assis) ainda cunhou uma frase histórica, que fez com que ganhasse imediatamente o apoio mesmo do mais potente pulmão entre os nossos cornetas: “E o Flamengo é o Flamengo.”

Foi a senha para que a galera, já extasiada, o pegasse no colo, e ali o mantivesse a temporada inteira, apesar de o seu primeiro ano de Flamengo não ter sido tão genial quanto os seus anos de Barcelona.

Daí, ao perceber que o que salvou o relacionamento do craque com a torcida foram as seis singelas palavras de uma simples frase (apesar de entre elas constar o poderoso termo “Flamengo” duas vezes), imaginei: “Que grandes milagres uma reles sentença poderia obrar pela carreira de um jogador menos abençoado que o R10 durante a sua estada no Mengão?”

Porque, convenhamos, a fase oral do desenvolvimento do boleiro brasileiro já passou. Os caras já estão na fase fálica há muito tempo. Digo isso porque não há mais o menor motivo para manterem aquele ritual altamente desconfiável de beijar o escudo da camisa do clube a que servem. (Prova disso é que se vocês buscarem na rede, encontrarão uma foto minha com a boca ansiosa num escudo do São Paulo. Só que na legenda da foto certamente não constará que eu me encontrava bebaço, pensando que tinham me levado pra comer pizza!)

Como os tempos mudaram, e os boleiros de hoje estão conscientes de que, para brilhar no Flamengo, vão necessitar menos do próprio futebol do que do apoio incondicional da torcida, me veio a ideia (sem acento essa orra, mas, um dia, ainda hei de me acostumar!) de iniciar uma assessoria de imprensa voltada para a imensa massa de inexpressivos que vêm envergar o nosso sagrado manto.

Basicamente, o meu papel seria cunhar frases de efeito para posicionar essa multidão no colo do torcedor, por um preço mais em conta do que a caixinha cobrada por certas organizadas pelo mesmíssimo serviço.

Imaginem o desconhecido Carlinhos Belvedere recitando, em lágrimas (o cristal japonês também estaria incluído no preço): “Escolhi o Mengão, mas respeito todas as outras opções sexuais.”

Êxtase na Gávea!

Mais o goleiro Tuca Piratininga mandando: “Seja qual for a religião do adversário, fazer gol no Mengão agora é pecado.”

Enlevação da galera! 

Ou o possante Fubazinho: “Optei pelo Rubro-Negro porque todos os outros times são meros cuadejuvantes.” (“Cuadejuvantes” assim mesmo, só pra dar credibilidade.)

Deleite da nossa diretoria!

Agora o meia Aerosvaldo, com o seu magnífico topete descolorido: “Não vim só pra realizar o sonho da casa própria, mas também o da torcida própria.”

Essa foi fraca, mas também o cara é completamente analfabeto!

Uma excelente frase pra ser dita por um treinador promovido dos juniores para o time principal: “O Flamengo é a prova de que é impossível ganhar tudo, sempre.”

Desculpa pronta, porém eternamente útil.

E o que dizer deste fraseado, que soaria belíssimo, partindo da boca de um Edemir ou Genésio Furacão: “O Flamengo é muito massacrado quando perde porque a pena de um rei é sempre a morte.”

Eu choraria.

E o que dizer destas pérolas:

“Na religião flamenga não existe o inferno.”

“Darei tudo pelo Mengão, mesmo que tenha que ficar a noite toda treinando fundamentos.”

“Ser Flamengo até morrer é pros fracos! Eu vou viver pelo Flamengo!”

“É verdade que o Zico já respirou aqui dentro?”

“Jogar no Flamengo, todo jogador sonha, até quando está dormindo.”

“Eu era Flamengo e não sabia.”

“Peço desculpas à torcida pelo suor com que vou manchar este manto sagrado.”

“Meu sonho era jogar no Barcelona. No Flamengo, nunca achei que conseguiria.”

Putz, parei!


Duplex Toc Zen

1 - Potosí Facts 1: Espero que o R11 consiga correr um pouco mais rápido a 4 mil metros de altitude.

2 - Potosí Facts 2: Em Potosí, se o gigante Alex Silva pular nas bolas pelo alto, periga morrer asfixiado.

3 - Potosí Facts 3: Tem jogador rubro-negro que sobe tanto o morro, que já chegará a Potosí totalmente adaptado à altitude.

4 - Potosí Facts 4: Real Potosí x Flamengo é o típico jogo em que até jogador fominha gosta de ser relacionado pro banco de reservas.

5 - Potosí Facts 5: Se da Linha Vermelha, neguinho fica dando tiro em avião, lá de Potosí, a galera pega mais leve: fica só cuspindo no teto.

6 - Potosí Facts 6: A Pat perguntou pro Luxa: “Vai escalar o time pra Potosí?” E ele respondeu: “Não, vamos de avião mesmo.”

7 - Potosí Facts 7: Não temam, porque mesmo em Potosí, o Mengão estará jogando em casa. Na casa do car%#lho.

8 - Potosí Facts 8: Agora, mais do que nunca, Adriano queria ser jogador rubro-negro só pra enfrentar o Real Potosí a 4 mil metros de altitude, e poder realizar o seu sonho de jogar completamente alto.

9 - Potosí Facts 9: A partida contra o Real Potosí será a última oportunidade que alguns  dos nossos medalhões terão de jogar em alto nível.

4.000 - Potosí Facts 10: Não haverá desculpas para um fracasso em Potosí, porque se o jogo se dará a 4 mil metros acima do nível do mar, ele também será a uns 2 metros abaixo do nível do ar.

11 - Potosí Facts 11: A definição da vaga para a Liberta será resolvida no Rio. Em Potosí, a 4 mil metros, o negócio será o Mengão lutar por um O2 x O2.

12 - Potosí Facts 12: Ao contrário do que muitos pensam, não será mico perder do Real Potosí. Mico seria perder do Fake Potosí.

13 - Potosí Facts 13: O Potosí, a gente já sabe que será o Real. Resta saber se o Mengão também vai ser o verdadeiro.


14 - Twitter Cassetadas da semana (em tempo real só em @rubionegrao):

Em virtude de uma contratura na parte posterior do meu dedo mínimo direito, hoje excepcionalmente não haverá as Twitter Cassetadas da semana.

E chinelinho é a ponte que partiu!

Nada mais faço, mas na semana que vem, mais #PotosiFacts. (Risada gutural.)

[Post originalmente publicado no Blog da Flamengonet]

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Real Potosí x Flamengo


Flagrante do ensaio da coreografia da torcida realpotosense


terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Calúnia do Rúbio Negrão



“Eu morro de rir daqui, não se tem equilíbrio: ou se tem time neston com leite ninho ou master. Até porque nem adianta reclamar do Luxa, os “garotos” do Flamengo até agora não vingaram profissionalmente, Muralha e Tomaz ainda são promessas... Diego Mauricio já prometeu e agora só promete dor de cabeça.” – Iara

Não sei se a Iara chegou à linha de fundo, ou se foi da intermediária mesmo, mas o que importa é que ela levantou uma belíssima bola, bastante relevante.

E perigosa.

Realmente, a galera fica neste dilema: garotada ou velharada? Boleiro adolescente esbanja vigor físico, mas carece de equilíbrio emocional. Já ao boleiro calejado pelas orgias da vida faltam ambas as virtudes.

E agora, José? E agora, Maria? E agora, todo mundo?

Refletindo profundamente sobre o tema no meu tempo vago (só ontem foram umas 18 horas. Seguidas.), me lembrei de um texto do vasco-palmeirense Chico Anysio, que li tempos atrás no livro “Armazém do Chico”. E achei por bem mostrá-lo aos queridos amigos e inimigos. (A fim de não desperdiçar o meu tempo em digitações improdutivas, aproveitei-o em coisas mais úteis, como ficar olhando pela janela. Então, copiei e colei o texto de http://pablosouza.com.br.)

Cada um na sua patota

Um dia um dos meus cavalos correu um páreo de mil metros na grama, dentro da sua turma. Chamava-se Esterior, assim com S, mesmo. Ele venceu no tempo de 57”3/5 – tempo de Grande Prêmio. Daí a 40 dias seria corrido o Grande Prêmio Imprensa, igualmente na grama e igualmente em mil metros. Eu conversei com o meu treinador e perguntei se não seria uma boa inscrever o Esterior no G.P. Imprensa, pois o tempo em que ele correra os mil no sábado anterior o qualificava para correr o Grande Prêmio.

O Roberto Morgado, meu treinador, não pensou para me responder:

— Não dá para ele, Chico.

Eu, é claro, estranhei, pois sabia que dificilmente o G.P Imprensa seria ganho em tempo muito abaixo daqueles 57”3/5.

Bolas. Por que o Esterior não teria chances, então, no G.P. Imprensa? O Roberto Morgado me deu então uma explicação que foi uma aula de vida:

 Ele ganhou neste tempo correndo na turma dele. Quando ele encarar os craques que vão correr o Grande Prêmio Imprensa, ele vai enfrentar cavalos de galão maior, cavalos grandes, mais fortes, mais bonitos, tudo diferente do que ele está habituado na turma dele e isto fará com que ele se apequene.

Eu, louco para ver o meu cavalo disputando um Grande Prêmio (e, na minha opinião, cheio de chance de vencer), insisti muito e ele concordou e inscreveu o Esterior, sabedor do cavalo não ter menor chance; apenas para me “obedecer”.

O páreo foi corrido num domingo azul, de temperatura amena. O vencedor marcou o tempo de 58”4/5 (ou seja: um segundo e um quinto a mais que o Esterior, na sua vitória) e o meu cavalo chegou em décimo-quarto.

Ali eu aprendi mais esta.

É por este motivo que o jogador que sai dos juniores para jogar com os profissionais, precisa de tempo para se acostumar a tudo aquilo que agora tem para enfrentar, pois ali as coisas são diferentes, do físico até o fungado do atleta que ele vai encarar. Ele agora não disputa mais a bola com jogadores da sua estatura e do seu corpo, mas com gente madura, que já tem truques e um poder de força, no próprio chute, muito maior.

O mesmo se aplica na televisão. Quando se coloca dois atores que vieram do “Malhação” e lá brilhavam, contracenando com Lima Duarte, Eva Wilma e Fernanda Montenegro, eles desaparecem.

Por este motivo, a renovação tem que ser feita aos poucos, em etapas. Três, quatro de cada vez (nas novelas); um, dois de cada vez (no futebol), para que gente com um belo potencial não se perca, por uma atemorização desnecessária.

Quando eu comecei, na Mayrink Veiga, éramos apenas dois jovens no meio de dezoito cobrões: o Antônio Carlos e eu. Sendo dois apenas, deu para nós colocarmos a cabeça fora d’água.

Acho que é por causa dessas experiências que eu gosto muito de uma frase criada pela juventude de hoje e que define bem esta situação:

 Essa não é a minha praia.

Se não for, não mergulhe. Procure a sua.

Então, o que acharam? Pode-se até discordar das conclusões do autor, mas a sua lógica é inatacável. Claro, em cada cabeça mora uma sentença, até porque o grande Chico Anysio não é o dono da verdade. É um gênio nas artes, sim, mas ainda é um vascaíno no futebol.

Sejendo cinsero, a mim, pobre de mim, me parece que a receita pra ser um flamenguista em 2012 é bem simples: basta não alimentar grandes expectativas.

Só que, na prática, em se tratando de Flamengo, quem consegue?


Duplex Toc Zen

1 - Barco errado: Com a quantidade de jogadores trintões no elenco balzaquiano do Flamengo, é bobagem organizar uma barca. Melhor será organizar logo um esquife.

2 - Tem trocado aí?: Se o Flamengo decidir despachar todos os ex-jogadores que precisam vazar da Gávea, haja moedas para entregar a Caronte, o barqueiro do inferno! (São duas por cabeça, bem nos olhos.)

3 - Esta não quer calar: Por que não utilizamos alguns sub-20 no lugar dos subvárzea?

4 - Aliás, ninguém deixou de notar aquele zagueiro dos juniores do Flamengo. Só que não foram politicamente corretos ao chamá-lo de “Negão Pablo”: O correto é “Afrodescendente do Qual é a Música”.

5 - Zé Love: A bem da verdade, quando falavam em contratar o Love, era “Love” pra cá, “Love” pra lá, mas em nenhum momento os dirigentes rubro-negros citaram o nome "Vagner".

6 - Foi-se o tempo em que as negociações no Flamengo eram “novelas”: Hoje, passaram a ser “tragédias gregas”.

7 - O Flamengo está sem dinheiro para contratações?: Felizmente! Já imaginaram botar grana viva nas mãos de certas pessoas?

8 - Duas notícias: A boa: uma barca vai, precisa, urge zarpar da Gávea. A ruim: o capitão é sempre o último a abandonar o navio.

9 - A vantagem do BBB sobre o Fla: No BBB, os parasitas desconhecidos ficam sem fazer nada no máximo por 3 meses.

0 à esquerda - Itamar e Zé Love: Os indigentes, digo, dirigentes do Flamengo são tão bons negociadores que conseguem pegar a xepa antes do fim da feira.

11 - Lógica perversa: Se o zagueiro Manoel não nos serve porque o Atlético-PR foi rebaixado, então o Zé Love nos será excelente, pois o Santos foi campeão da Libertadores.

12 - Muita gente boa reclamou que os negociadores do Flamengo não tinham um plano B: Injustiça, porque ao se meterem com Itamar e Zé Love, eles provaram que não apenas tinham um plano B, como também até um plano Z!

13 - Os moleques não metem brincões, tatuagens, cordões, anéis e moicanos por marra, não: É pra sentirem se vão se adaptar à vida de boleiro. É por isso que a maioria deles não “dá jogador”.

14 - Vendo o elenco do Flamengo até agora, só digo uma coisa: Ainda bem que o futebol é uma caixinha de surpresas!

15 - “Imóveis ficaram 26,3% mais caros em 2011”: Eu já havia percebido isso, só de ver os salários do inerte elenco rubro-negro.

16 - Nem todo final é igual: Acho que os dirigentes do Flamengo deviam tentar contratar jogadores em fim de contrato em vez de jogadores em fim de carreira.


17 - Twitter Cassetadas da semana (em tempo real só em @rubionegrao):

"Crescem chances de Barrichello na Williams." Trata-se do fracassado mais bem-sucedido do mundo.

Aquidauanense: há 10 anos facilitando a vida do profissional da mídia esportiva.

De que vale conseguir beber uma lata inteira de Skol de um só gole, se o mundo não valoriza?

Sogra boa é A Sogra que mora longe. Não, longe, não. Um pouco mais distante.

#euqueroéserfeliz. Enquanto houver Mega-Sena, haverá esperança.

No Brasil é tudo uma pegação danada. Só mesmo as leis que não pegam.

"Vampeta elege Fla seu rival." O Mengão é mesmo uma mãe: Mais um que tirou do ostracismo.

2 e 38  da matina. É na calada de noites assim q nossos indigentes anunciam as contratações + estapafúrdias. Espero q eles estejam dormindo.

E nada mais faço. MAS ADMITO!

[Post originalmente publicado no Blog da Flamengonet]